Primeira mulher astronauta portuguesa é do Porto
21 janvier 2019
O Secretário Geral da CPLP quer que o português seja uma língua corrente nos países africanos
22 janvier 2019

A experiencia de Alix Tarrade com a língua portuguesa

Os alunos da turma de português do liceu internacional de Saint-cloud realisaram uma entrevista de Alix Terrade, uma jovem francesa que dicidiu ir para o Brasil durante un ano (sem saber falar português!)

Alix, por que é que decidiu fazer um intercâmbio?

Quando estava no início do ano de seconde (10° ano), tive a ideia de ir passar um ano em outro país. Queria mudar, fazer alguma coisa diferente. Em seguida, falei com a minha mãe e pensámos nos Estados Unidos, porque tenho família lá. Depois, o meu pai me apresentou o intercâmbio do Rotary Internacional, um programa para jovens menores de idade, que é, na verdade, um intercâmbio cultural e uma troca. Então, veio uma menina chilena para minha casa, enquanto eu estava no Brasil. Mas nós não escolhemos o país de destino!

Para que cidade foi e quanto tempo lá ficou?

Eu cheguei em Agosto de 2017 em Salto, uma cidade pequena no estado de São Paulo, mas que tem 100 mil habitantes. Eu fiquei lá até julho de 2018 e morei em 4 famílias diferentes de acolhimento, das quais tenho muito boas recordações e continuamos em contacto.

Como é que foi a adaptação a uma língua desconhecida?

Quando cheguei, eu não falava nenhuma palavra, nem sabia responder quando me perguntavam, em português, o meu nome. Mas aprendi rápido, porque nenhuma das minhas famílias falava nem inglês, nem francês. Daí demorou um mês e meio para eu entender tudo e três meses para falar normalmente e depois continuei melhorando o ano todo. Aprender a língua portuguesa não foi a coisa mais difícil, porque tinha muita motivação e porque é frustrante não entender nada. Afinal, a comunicação é essencial!

Qual foi o lugar que mais gostou de conhecer no Brasil?

Eu tive a chance de ir à Amazónia com 20 outros intercambistas de várias nacionalidades. A gente dormiu num barco e tínhamos redes em vez de camas. Eu aprendi muita coisa sobre a vida selvagem e o modo de vida das pessoas da região, por exemplo, eles vão à escola de barco. Jogámos futebol com eles e fiquei surpreendida, porque não usam celular e nem sabem o que isso é…
Também fui para o Nordeste em janeiro, no lugar mais quente do Brasil em meio do verão. Fui ver todas as praias imensas que existem lá e também visitei o famoso Rio de Janeiro. As vistas dessa cidade deixam-nos sem voz! O Brasil é um país que possui paisagens diversificadas e cada uma é mais linda e interessante que a outra.

O que ganhou com a experiência do intercâmbio?

Eu conheci muitas pessoas quer sejam intercambistas quer brasileira. Agora conheço gente do mundo inteiro, ganhei uma nova língua, uma nova cultura e também 4 famílias maravilhosas. Repetiria, sem dúvida, uma experiência deste género, se pudesse.

De regresso a França, por que que decidiu continuar a estudar português ?

Eu gostei muito do Brasil, da cultura e da língua portuguesa. Também gostei de estudar na minha escola brasileira, que é muito diferente da francesa. Então, queria continuar estudando em português, para mim era importante, para poder continuar a praticar a língua portuguesa no meu dia-a-dia. Moro um pouco longe, mas vale muito a pena deslocar-me todos os dias até Saint Cloud, onde existe uma Secção Portuguesa no liceu Alexandre Dumas. Com efeito, as turmas são pequenas e isso é melhor para estudar melhor e o ambiente é acolhedor. Recomendo muito a quem queira aperfeiçoar os seus conhecimentos na língua lusa.

____
Se essa temática vos interessa,Cap Magellan organisa os EGL : Etats Généraux de la Lusodescendance, um evento que tem como objetivo principal de criar uma campanha nacional para o ensino da lingua portuguesa.

Hits: 129