« Journée de réflexions sur les Droits des femmes au niveau lusophone et en France »
16 mars 2018
Alunos da Secção Internacional de Saint Cloud visitaram Porto e Coimbra
16 mars 2018

Davy Rodriguez de Oliveira acusado de racismo renunciou a cargos no Front National

O lusodescendente Davy Rodriguez de Oliveira, acusado de insultos racistas no fim de semana passado, em França, renunciou às suas funções no Front National (FN) de Marine Le Pen.

Davy Rodriguez de Oliveira, Diretor nacional adjunto do Front National da Juventude (FNJ) e Assistente parlamentar do Deputado Sébastien Chenu, anunciou no Twitter, na segunda-feira à noite, que renuncia a todas as suas atividades políticas.

«Não querendo prejudicar o Partido em que tive a honra de militar, demito-me a partir de hoje de todas as minhas atividades políticas», escreveu, denunciando «um vídeo roubado e publicado numa conta anónima» do Twitter.

A decisão surge depois de ter sido alvo de uma queixa por «violências ligeiras» e «insultos de caráter racista», apresentada por um segurança de um bar, que o acusou também de o ter tratado de «africano sujo» e «macaco» na sexta-feira à noite, diante de um bar, na cidade francesa de Lille, antes do início do Congresso da FN.

A polémica surgiu após a publicação de um vídeo na Internet, primeiro através de uma conta anónima de Twitter, depois retomado por vários internautas e apagado da conta original, mas entretanto colocado ‘online’ por vários ‘sites’ informativos franceses.

Nas imagens, filmadas com um telemóvel, vê-se o jovem a proferir, alegadamente, as palavras «espécie de negro de merda», enquanto uma voz tenta acalmá-lo ao dizer «Acalma-te. Achas que a Marine gostaria de te ver assim?».

Esta segunda-feira à noite, na estação televisiva LCI, a líder da FN, Marine Le Pen, reagiu à sua renúncia dizendo que «é o mínimo» e que considerava excluí-lo do Partido.

No comunicado – que Davy Rodriguez de Oliveira enviou à Lusa – o jovem mostrou-se «horrorizado pelas palavras chocantes» que lhe «são atribuídas» e que condena «firmemente».

«Ainda que este vídeo truncado não mostre os incidentes da noite, é evidente que nada poderia justificar tais palavras, se as disse, e que são contrárias a tudo em que acredito», afirmou, pedindo à imprensa para «parar de o assediar» a ele e à sua família.

Na segunda-feira, o Assessor de imprensa do FN indicou à Lusa que o lusodescendente estava suspenso temporariamente do Partido «até à reunião da Comissão de conflitos do Front National», acrescentando que se fosse culpado iria «ser posto na rua» e se fosse inocente continuaria nas suas funções.

Davy Rodriguez de Oliveira teve, na segunda-feira, uma chamada de primeira página no jornal francês Libération e surgiu em vários outros jornais, como o Le Parisien, devido ao alegado insulto racista.

Na capa do jornal Libération, em cima de uma fotografia em grandes dimensões do rosto de Marine Le Pen e do título «Ressemblement National» (um trocadilho entre o novo nome do Partido e a palavra «semelhante»), surgia a frase «Espécie de negro?» com uma pequena fotografia do jovem retirada do vídeo e a legenda: «À margem do Congresso do FN, Davy Rodriguez, ‘embaixador da refundação’ do Partido, teria tratado um segurança de ‘espécie de negro de merda’».

O Le Parisien falava, por sua vez, em «inadmissível derrapagem de um alto responsável da FN».

Davy Rodriguez de Oliveira, com raízes familiares em Espinho, foi candidato suplente do Front National nas legislativas francesas no ano passado, na 9ª circunscrição do Val d’Oise, nos arredores de Paris, depois de ter andado em campanha para as Presidenciais em apoio a Marine Le Pen e de ter cantado o hino francês no Chalet du Lac, em Paris, na noite da derrota da FN à segunda volta.

Fonte : Lusa