Vainqueur de l’Eurovision 2017, Salvador Sobral doit mettre un terme «temporaire» à sa carrière
12 septembre 2017
Portugal, un tremplin pour la Chine
14 septembre 2017

São Jorge é o candidato português aos Óscares e aos Goya

A Academia Portuguesa de Cinema escolheu o filme de Marco Martins com Nuno Lopes para se candidatar aos prémios internacionais. Mas ainda há um longo caminho a percorrer. 

São Jorge, o filme de Marco Martins saído em sala este ano que em 2016 valeu um prémio de Melhor Actor para Nuno Lopes em Veneza, é o candidato português aos Óscares e aos Goya, escolhido pela Academia Portuguesa de Cinema. O filme conta a história de um pugilista desempregado que se vê obrigado a tornar-se cobrador de dívidas difíceis para sustentar a família.

Maria João Mayer, produtora do filme, adiantou ao PÚBLICO que « não era uma nomeação muito esperada », mas que está « muito contente », sublinhando que este « é um filme muito urgente, muito específico, muito português que tem tido uma recepção internacional ». Espera agora que esta notícia seja « um boost para a divulgação e para a promoção do filme fora de Portugal ».

São Jorge saiu em sala em Portugal, onde fez dez mil espectadores no fim-de-semana de estreia, e em França. A produtora está na expectativa de aproveitar a circunstância de o filme ter sido escolhido como indicação portuguesa para gerar interesse nos mercados espanhol e norte-americano.

Marco Martins, o realizador, explica ao PÚBLICO que « fica feliz », porque acha que este « foi um ano em que houve uma produção portuguesa bastante grande e filmes interessantes e fortes », mas também sublinha a « temática do próprio filme », o facto de se debruçar sobre « um período histórico sobre o qual precisamos todos de reflectir e [que precisamos de] ter na nossa memória », bem como a sua linguagem não muito comum, « no cruzamento entre ficção e não-ficção », algo que lhe agrada bastante.

« Acho que era importante que o filme chegasse a um público o mais alargado possível, e os Óscares possibilitam esse facto. É claro que isso exige uma campanha grande junto da Academia, e que [se] exporte o filme a partir daqui e até à selecção final dos cinco filmes. Para isso, terá de haver um investimento grande do ICA e do Governo, uma parte que já não me diz respeito », acrescenta.

Desde 1980 que Portugal envia candidatos para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, mas até agora nunca resultaram numa única nomeação.

Público